RUMO

Por sobre o rumo das coisas, a toalha da mesa se derrama ensolarada entre um café e um ponto final. Sei, mas você não sabe, que todas as idéias do mundo não valem teu silêncio elegante. Garçom, pra mim uma quimera sem gelo e sem açúcar; peça algo mais forte que te permita existir. Primaverdes noites fora, as escadas não são nem pra subir nem pra descer; apenas são. Por isso sempre preferi pontos-e-vírgulas, sabe aquilo? Vai não vai. Pára, toma fôlego e se joga, frase adentro. Rumo às coisas todinhas, é assim que eu gosto de ir; vamos lá?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s